sexta-feira, 1 de outubro de 2010

21:02

.

Pensei na gente assim hoje,
leves, amorosos, apaixonados,
em alguma parte do mundo onde
fôssemos só nós dois e nossos beijos,

_ E sabe o que eu senti?

Uma vontade de sair correndo,
Um desejo imenso de ter asas,
Uma dor tão ruim no coração,

que só mesmo uma dose de cloridrato
de buprionina pôde conter.

[Mas respirar ainda dói!]


*

6 comentários:

Jessy Rodrigues disse...

amei o textoo!
De um desejo de sair do estagio de pupa..
e virar borboleta e sair voando
a caminho de uma unica flor *--*
é o que penso...
sigo o blog desde já, um beijo!!

ticoético disse...

Hehehe,você bem me traz felicidade,enfim,bela.
abraço !

Murilo Gorri disse...

despretensiosamente perambulando pelas comunidades de um amigo que, por sinal, também despretensioso, encontrei uma comunidade no orkut da qual voce é dona, e resolvi entrar para saber mais, pois fiquei intrigado talvez seja a palavra, e entao me deparo com uma foto nostalgica no perfil (que me lembrou uma amiga de devaneios e ideias atravessadas por café e blues) e vi o link do blog...

eu nao sei como explicar o quão, exorbitante felicidade me deparei com tantas coisas bonitas, nao por serem bonitas, mas por dizerem a verdade, quem sabe, de uma maneira tao sentida.

algumas coisas me lembraram Tati Bernardi, que tbm tenho uma avassaladora admiração por seu trabalho.

enfim, é um prazer imenso ter voce ao alcance dos olhos, como se tocando um sax, maroto, ao fundo das ideias.

agradeço desde já!

kissÁ ;*

Be Lins disse...

Mas que coisa, né?
a gente vem, escreve umas coisas assim, como quem não quer nada, respira, fica bem, e de quebra,
recebe o carinho de gente que a gente nunca viu, mas sente que se visse, ia gostar bastante.

Brigada, de coração.


Beijo vocês!


*

Be Lins disse...

Murilo,
me adiciona no orkut então,
será um prazer te conhecer.

Be

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

A ausência nunca é um destino apetecível, não é mesmo.