sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

19:11

.

Sem nunca parar,
a dança das ondas faz-se infinita,

feito a espera que a cada verso se inicia
aprendiz de lidas, de vidas, e de silêncios inevitáveis.


*

Nenhum comentário: