quarta-feira, 7 de setembro de 2011

13:35

CARTA

E então você não quis nada disso. E parou com a possibilidade de dor, o que nunca se faz impunemente. Apenas parou e nada encontrou além disso. Eu não digo que eu tenha muito, mas tenho ainda a procura intensa e uma esperança violenta. Não esta sua voz baixa e doce. E eu não choro, se for preciso um dia eu grito. Estou em plena luta e muito mais perto do que se chama de pobre vitória humana do que você, mas é vitória. Eu já poderia ter você com o meu corpo e minha alma. Esperarei nem que sejam anos que você também tenha corpo-alma para amar. Nós ainda somos moços, podemos perder algum tempo sem perder a vida inteira. Mas OLHE para todos ao seu redor e VEJA O QUE TEMOS FEITO DE NÓS e a isso considerado VITÓRIA NOSSA de cada dia. NÃO TEMOS AMADO ACIMA DE TODAS AS COISAS. Não temos aceito o que não se entende porque não queremos passar por tolos. TEMOS AMONTOADO COISAS E SEGURANÇAS POR NÃO TERMOS UM AO OUTRO. Não temos nenhuma alegria que já não tenha sido catalogada. Temos contruído catedrais, e ficado do lado de fora, pois as catedrais que nós mesmos construímos, tememos que sejam armadilhas. Não nos temos entregue a nós mesmos, pois isso seria o começo de uma vida larga E NÓS A TEMEMOS. Temos evitado cair de joelhos diante do primeiro de nós que POR AMOR diga: tens medo. Não temos usado a palavra amor para não termos de reconhecer sua contextura de ódio, de amor, de ciúme e de tantos outros contraditórios. Temos mantido em segredo a nossa morte para tornar nossa vida possível. Temos disfarçado com o pequeno medo o grande medo maior e por isso nunca falamo do que realmente importa. Não temos sido puros e ingênuos para não rirmos de nós mesmos e para que no fim do dia possamos dizer 'pelo menos não fui tolo', e assim não ficarmos perplexos antes de apagar a luz. Temos sorrido em público do que não sorriríamos quando ficássemos sozinhos. TEMOS CHAMADO DE FRAQUEZA A NOSSA CANDURA. TEMOS TEMIDO UM AO OUTRO ACIMA DE TUDO. E a tudo isso consideramos a vitória nossa de cada dia. Mas eu escapei disso, escapei com a ferocidade com que se escapa da peste, e ESPERAREI ATÉ VOCÊ TAMBÉM ESTAR PRONTA.

[De Ulisses para Lóri, em O Livro dos Prazeres, Clarice Lispector]

PERFECT

*

3 comentários:

Adriana ♣* disse...

WOWOWOWOW!!!!

AMAZING!!!

Carol Timm disse...

15:33

Com sua licença, moça, ora dessas vou levar esse texto para minha Casa de Leitura.

Danado de bom! Maravilhosa mesmo essa Clarice!! : )

Beijos,
Carol

Be Lins disse...

Oi, Adri,
beijo e aproveite bem o feriado.

Carol,
sinta-se a vontade, é um prazer quando existe identificação com coisas escritas e postadas aqui.

Beijo