segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

12:28

.

Permita-me abreviar esta penumbra,
Deixa-me dizer desta coisa que habita as profundezas,

rasa é a lingua, ouve-me com a alma,

Água e memória dos teus olhos, azuis, infantes,
mãos que se desatam no inverso da verdade:

_ pode ser que NADA reste,
nas águas frias de um amor partido,
nem sempre é  O TUDO que importa.



*

Nenhum comentário: