domingo, 29 de setembro de 2013

16:00

.

E depois?

Diga.
Quando nós.
Diga!
Ele pôs as mãos nos joelhos.
Quis bater nele.
Quis abraçá-lo.
Quis entrar berrando em seu ouvido.
Perguntei E agora, como vai ser?
Não sei.
Você quer ir para casa?
Não posso.
Vai embora, então?
Não posso.
Aí ficamos sem opções.
Ficamos sentados.
Havia coisas acontecendo Acima de nós.

Página 344,
do livro 'Extremamente alto & Incrivelmente Perto.


*

Nenhum comentário: