sábado, 14 de setembro de 2013

19:19

.

Avesso Ninguém pensa no amor como prisão. Só que tudo tem um avesso. Até o amor tem. Quando se ama, ainda que nefasto, há o desejo de prender. Reter. Ter. Engolir. Comer até virar uma coisa só. Fundir-se. No outro, ou ainda até ser o outro. Mas, não se prender. Prender o outro, mas manter-se livre. É a mais estranha das contradições. Prender sem prender-se. O que vale mais, as rédeas de um amor, ou soltar-se? Há como amar sem se prender? 

Serão armadilhas da paixão pra testar o amor?

*

2 comentários:

Lianto disse...

APRENDIZADO

Fui lançado no palco sem script

Me incutiram idéias religiosas

Falaram do certo e errado, de coisas
Boas e pecaminosas.

Acreditei em tudo
Não tive escolha, criança era inocente.
Acreditei em Jesus e na Virgem Maria
Assim como uns acreditam no Leprechaun
E outros no Buda, Krishna e Maomé.
Hoje algo em mim diz que é profano
Duvidar disso
E do Espírito Santo
E de Jesus e dos mistérios que jamais alcancei
Que levam outros nomes em outros lugares,
Outras vestes e outras tintas.
Sou o seguidor de Jesus,
Sou o seguidor de Maomé,
Sou o seguidor de Buda,
Sou o seguidor de Krishna,
De Iemanjá, de Ogum-Beira Mar,
Sou seguidor do Intelecto,
Sou seguidor do caminho estreito
Sou o seguidor da ciência,
Sou o seguidor do ceticismo
Sou o seguidor das teorias
Sou o seguidor, sempre o seguidor.

Caminho e nunca chego,
Chego e não estou em lugar algum
Aquilo que sou não se manifesta
Sou seguidor e aprendiz
De caminhos que me apresentam
Medo da consciência
Medo da religião
Medo da Ciência
Medo de Deus.

Medo de estar errado
Medo de estar certo
Medo de estar surdo
Medo de estar cego
Medo de estagnar
Medo de ir e de vir
Medo.

Pecado. Filho do Pecado.
Simplesmente uma invenção
Uma convenção
Uma construção. Florestal, social.
Tarzan ou filhinho dos bons costumes
E da etiqueta
E das necessidades de saber.

Vou vivendo e tenho fim certo,
Seja Tarzan ou seja poeta
Seja o papa ou seja pecador
(o papa não tem pecados)
Seja escolhido ou não,
Vivo e isso não tem volta
Vai sempre pra frente,
Na horizontal, vertical e diagonal
Para onde quer que siga
Sempre segue, sou o seguidor
E nesse caminho abandonei tudo
Quando entendi por milésimos
De segundo o sentido da vida,
Que é essa certeza que palpita
Fora do tempo e da eternidade
Fora dos dogmas e dos conceitos
Inexplicável mas que deram um som
E é o modus operandi, a matéria prima
Das obras que atravessam séculos
Não temo nada, não devo nada,
Não sigo ninguém
Não sei se Jesus vai gostar
De saber que eu não sei ou duvido
Dele, mas é que estou livre dos medos,
Apenas aprendi a fazer o que
Quer ele tenha existido ou não
Veio para nos ensinar,
Apenas aprendi

A Amar.









[ http://www.youtube.com/watch?v=qVb94Al-7vo ]

Be Lins disse...

Estamos todos neste palco, sem script ou direito a ensaios, a platéia está atenta, embora não possamos ouvir seus aplausos,

às vezes, não podemos nada.

Fazer oque?

Adoro quando você me escreve!

Be