sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

14:48

.

Tenho tanta coisa pra te dizer. São coisas que eu sinto tão forte, mas não consigo tocá-las pra trazer até aqui, pra você ler, ouvir com o coração, e delirar comigo esses sentimentos que me inundam de um jeito que dói, sabe?, dói de tão bom, dói de frustração por algo tão lindo estar preso na minha cabeça, algo que eu não consigo acessar, mas que eu sei que está lá, logo ali, dentro de mim... Me pergunto se estarão dentro de você... porque tem que estar, não é possível ser um sonho só meu, tem a força de um oceano, a subjetividade das palavras que formam este mar de letras que te escrevo e nem sei porque, mas tem que estar em você, eu sinto que não cabem só em mim, porque tem um mar do lado de cá, mas tem também tanto mat do lado de lá. VOCÊ É O MEU MAR DO LADO DE LÁ. E a gente se encontra no meio destas praias que não se visitam, mas, ah!... como são banhadas pelas águas deste amor que sinto, e que você, se não sente, não imagina que onda boa tá perdendo...
Duas pessoas dentro de uma mar. Duas pessoas dentro de um amor. Duas pessoas que sonham um sonho de mar. Isso é estar junto, mesmo sem estar. Tem tanta coisa que a gente não entende,que nem acredita, mas existem assim mesmo. Eu sei que você deve estar pensando que eu falo demais, que eu faço de menos para menos demais, eu sei, eu sei, mas eu não sei como te acessar. Não sei como te levar pro mar comigo, não sei oque fazer de tudo que eu construi pra mim antes de você. Eu sou sortuda, entende? Tem tanta gente que não niguém pra amar, e eu amo tanta gente, só não sei como conciliar tanto amor. Embora isso, agora, não importe. Sempre falta você. Isso fere a minha sorte. Quero que você se importe comigo. Quero que você olhe pra minha janela e saiba que eu estou sempre ali,mesmo que não, eu estou. Porque é das janelas de dentro que te falo. Meu lindo, você tem todo um mar pra atravessar se quiser chegar aqui. Eu, você sabe, não sei nadar. Se eu for me aventurar, eu não vou chegar. Eu me perco e com isso você me perde também, e nos perdemos nesse mar que é pra ser pra navegarmos juntos.Não pra se acabar. Eu me perco nesse mar de palavras de tanto que tenho pra te contar. Pra te perguntar. Tipo, cadê teus olhos pra me olhar? Nunca houve olhos como os teus a me olhar... eu preciso me ver em você pra continuar. Como a gente faz pra se encontrar? Me fala. Manda um bilhete pra mim, daquele jeito antigo que eu acho o mais bonito. Coloca dentro de uma garrafa uma palavra, um sinal, ou então, vem até aqui, e me ensina a me soltar. Eu te asseguro que nas tuas maõs, eu não vou me afogar. Ficarei deste lado. A te esperar.


*

Nenhum comentário: