terça-feira, 23 de dezembro de 2014

23:49

.

Pra você que não gosta de Natal:
 
_ Você não é um insensível. E você não está sozinho. Quando Dezembro surge por aqui, baixa sobre a terra uma ansiedade galopante. Amor vira uma espécie de moeda, e neste mercado, somos todos, um pouco pobres, e carentes.  Em tempos de tanta ostentação midiática, haja vista que hoje todos têm seu próprio canal de exposição, a felicidade parece pipoca. Salta de uma rede para outra, ocultando, no entanto, o seu verdadeiro perfil. Dezembro é o mês da felicidade fake. Tudo expositivo demais, tudo tão irreal, toda a gente correndo feito doido pelos templos de consumo, festas que ninguém está de fato afim de ir, sem fome, sem sede, outros com fome e com sede, e a gente se pergunta, _ qual o sentido disso?
 
OHOHOH, onde você está Papai Noel, para nos trazer de presente o sentido?
 
Amargo poderão pensar os abençoados pelo dom da boa crença. O que de fato é. É amargo desejar que tudo passe rápido e o ano novo logo comece, e de preferência que logo chegue Março, e com ele as folhas de outono e o sossego da vida real. De onde surgiu essa urgência de ser feliz que paira pelos ares, ou melhor, pelas telas desse mundo de Deus, e nestes Dezembros loucos de pedra? Não entendam os que creem.
 
 
Quero alcançar você que descrê. Quero tocar em você, que como eu, não consegue pular de cabeça neste pula-pula natalino. Dizer à você que você não está sozinho. Nem é um estranho. Nem um desalmado. Na verdade, acho que você traz consigo o mais genuíno espírito do que deveria ser um Natal. Você só queria que a vida corresse normal, e o encontro acontecesse porque os encontros devem acontecer, naturalmente. Porque você acha que o amor não deveria ser moeda, medida em número de pacotes bonitos de presentes.
 
Que presente deveria ser a presença. Espontânea. Desobrigada de data. Que o abraço, deveria ser condição. E a distância, um muro a ser derrubado a cada dia. Que as crianças deveriam ansiar por passeios ao ar livre, por dias de correr descalço na grama, por bonecas de pano, feitas à mão por algum artesão da vizinhança. Você querido, só queria que as pessoas menos providas de vil metal fossem  respeitadas e consideradas dia após dia, você queria que a inclusão fosse oque move o gesto, contínuo, e não um gesto ocasional.
 
Você queria não se sentir um ET só porque se questiona e segue contrariado o roteiro de Natal. Você querer fugir, pegar uma contramão, ou  sorrir quando na verdade se sente constrangido com as gastanças e as exorbitâncias de uma data que tinha tudo para a simplicidade reinar, não faz de você um esquisito. Faz você parecer mais bonito. Você saiba, que você é quem me faz sentir o Natal. O verdadeiro. A indagação do nascer. Do sentido. Do porque. Do presépio. Do anseio. Da busca pelo amor. Da afirmação. Do enxergar o outro como um exercício diário e sem exceção.
 
 
Você me faz sentir especial por dividir comigo suas indagações, suas inquietações, e com elas comungo, e faço delas o meu presente. Um presente que multiplica-se todo dia. E renova-se em bem-querer constante.  Aceite estas palavras, como meus mais sinceros votos de que o sentido toque  tua pureza tão linda, e que todos os teus dias sejam dias de um FELIZ NATAL,
 
 
_ ...e se você me entende e eu te entendo, então, podemos prosseguir aliviados para dentro de mais um Natal. Aguenta firme. Já posso ouvir o barulhinho das folhas correndo ao chão. E o vento sul soprando amor. Amor por você. Sempre.
 
 
 
Beijos.
 
 
 
*

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

19:34

.


No prezado momento
fico me perguntando:

_ a gente não era mais feliz 'quando'?...

_Quando, quando? ( perguntaria uma criança)

_ Quando a gente era criança. Será que era mesmo pra gente ter crescido?
Será que algum gene foi removido? Posso te confessar uma coisa ao pé do ouvido?

_ Ouvido não tem pé! ( diria a criança)

_ Eu sei. Ele é um órgão dos sentidos. Metaforicamente, falando.

_ Metaforica oque? ( indagaria, espantada, a criança)

_ Nada criança, é só meu coração que tá comovido. E doído.
Dá um beijinho que passa.


Beijou. Passou. Crescemos. Rápido. Demais.
Bom seria poder voltar, atrás.



*




sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

01:11

.
 
 
Acho que não vai ter sol. E mesmo que tivesse, prefiro a noite. Mil e uma noites. De preferência dentro de uma tenda. Talvez feita de flores. E com aquele cheiro, almiscarado de Madagascar. Tenho queda por desertos. E por sombras. Do passado. Esquisito tempo que parece que vai, mas volta, sempre que a noite vem. Tenho loucura por lembrar. Frases. Toques. Coisas fora do lugar. Feito o amor. Ou a fuga. O desencontro. Que favorece tanto um devaneio. Gosto de voltas. Dar voltas entorno. De pensamentos. Coisas soltas. Desconexas que ainda assim, insistem no encaixe. Na acomodação. Ou na ilusão de alguma perfeição inatingível. Ainda lembro oque foi dito. Quando. Quando você pensar em mim. É sempre quando. Você não estará sozinha. Entrelinha. Conceda-me uma vírgula. Uma só a mais, só pra ver se eu poderia ser capaz. De me atirar. Nos teus braços vazios de lógica, e ainda assim, tão óbvios pra mim. Dê-me o tempo de um ponto sobre outro ponto, pra que eu possa te dizer o quanto. Sem condições. Só que seja sem sol. E longe da rua. E sem jogo. Sujo de acusações.  Sem desencanto. Sem solavanco. Nada no tranco. Esquece o barranco. Quero as folhas no chão. Descalçados. Nós dois. Ao som daquela banda que não toca drama, ou você me  faz uma composição, vale até uma suposição, que é só pra gente ver se ainda acha aquela agulha perdida no balaio da nossa falta de noção, palheiro de ilusão, que já foi tanta, que eu acho que até perdi a razão.
 
 
 
*

00:22

.
 
 
PERFEIÇÃO
como a gente sabe
mas,
 às vezes, faz que não sabe,
não existe,
 
então,
quando o assunto envolve EMOÇÃO
o melhor é deixar-se levar
pelas batidas do coração,
aquele lugarzinho onde razão não é a questão,
 
 
e deixar que role o abraço
permitir-se cair nos braços
daquela assustadora melhor opção:
 
 
acreditar nas incertezas
de uma grande
PAIXÃO.
 
 
[...ou vai ficar com medinho de perder o chão?]
 
 
 
*

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

19:00



.

Descortine-se. Mesmo que isso pareça insano. Mesmo que não faça o menor sentido. Mesmo que pareça desatino. Calma.  Dá pra fazer de mansinho, sem causar muito dano, pode ser suave e terno, gesto que se faz pungente, urgente, saca?,  tanta gente se escondendo por trás das cortinas, a gente quer ver a tua vida por trás dos panos, dessas teclas, desses tempos insanos de tantos desenganos, equívoco seguir o rebanho, há que se ser autêntico ainda que isso custe o espanto. Maior o espanto abre-se _ quando.

Quando se experimenta o toque do pano. Desajeitado tatear. Descortinarei eu os meus tantos anos? E o medo do abandono? Porque é só por isso. Somente por isso que somos oque não somos. Que expressamos oque não acreditamos. Que rezamos e não esperamos. Que tropeçamos nos desenganos. Vamos amontoando coisas no cenário vazio, tudo parece tão frio, tão sem cheiro de mato, tão abandonado do fato, inato, de sermos chão, grão, coisa miúda, a  gente é  graúda só mesmo na encenação.

Quem seremos quando o pano cair? Porque ele cai. Certeza que ele cai. Uma hora ele cai. E aí a gente sai correndo catando os trapos, pra emendar como quem tampa ferida com esparadrapo, e tampa tudo, porque,  quem é capaz de amar as feridas?

Quem é capaz de amar a carência? quem é capaz de amar os estragos do tempo, os danos dos tropeços, o choro infantil daquele momento que não se apaga, a gente só se trava enquanto trava as cortinas num nó cego, é ousadia querer mostrar, ou ver, ou ser...

Ver. De verdade. Ver. E se espantar com a beleza que há do outro lado do que ninguém quer ver. A beleza não está naquele palco, baby. A beleza não está daquele lado, baby. A beleza não está ao alcance das suas mãos , baby. A beleza, a que se descortina na surdina de alguma esquina patinada por lágrimas que só se derramam se escondidas,_  ah a beleza, baby!, a beleza está em todo lugar onde seja permitido que as cortinas caiam, e que quando caídas, ainda assim, permaneçam corações...



*

18:42

.

.
 
_WHAT?
 
 
_ bons tempos aqueles tempos, 
idos e  queridos tempos,
em que a ficha caía
e a ligação
 
se completava
sem enrolação...
 
 
 
 
*