terça-feira, 17 de março de 2015

19:06

.
 
 
Pergunte-se ao poeta:
_ basta sentir?
 
ele dirá:
 
basta para sentir
e sentir basta.
E o quando isso
pode ser mais
é condição de dar.
o salto.
O importante é ir
ao encontro,
e ao seu,
falei, falo
sempre irei!
 
 
BONITO!
 
 
*

5 comentários:

Jason Jr. disse...

:)
aBELinha!
:D

Simone Lima disse...

Nós sentimos muito. Nós que somos de sentir, absorvemos demais do mundo e dos outros. As vezes isso é bom, às vezes isso é mau.
Lindo tuas linhas poéticas!
Bjo'o

Lianto Segreto disse...

Linda, Be!

aiai ( suspiros )

https://www.youtube.com/watch?v=yN-rwpZob54

r.i.p ontem !

Lianto Segreto disse...

Que tanto temem os fundamentalistas? Ora, se pararmos pra pensar que querem os gays,afins e como todo ser humano; chegaremos a uma conclusão: é humanamente, lícito e possível, amar outro ser como cabe a cada um. Não são as palavras da Bíblia que são usadas como armas contra esses movimentos. Não é o sexo do parceiro que incomoda. O que incomoda é a transgressão e possivelmente a instauração de uma nova forma de olhar o mundo. E obviamente com isso estão fadados às prateleiras e às traças os relutantes e conservadores. É o indicativo mais claro de que a morte se anuncia aos que resistem às novas formas de organização social. E mudar, adaptar-se, indica que o poder passará a mãos de outro. Ontem o homem, o patriarca, amanhã, quem sabe, qualquer um. Não são as mãos destes senhores que se prendem às suas empoeiradas convicções mas as barbas, já grisalhas e velhas que a qualquer momento haverão de rebentar deixando uma nova configuração surgir. Pois que gritem e esperneiem tentando manter as coisas como estão. O novo sempre haverá de surgir, martirizado muitas vezes, mas não deixará de ceifar da realidade o que já não serve. E convenhamos, estamos falando de amor por outro ser. Do direito de amar e construir algo em comunhão, com quem quer que seja. Um amor que nos iguala, agora livre de diferenças de gênero e definições.
Um amor que nos liberta dos limites humanos e nos aproxima do que é imortal: a consciência das nossas possibilidades.

Be Lins disse...

...
"o que nos aproxima das nossas possibilidades",

muito inspiradora essa tua colocação.

Fundamentalistas,
quem diria ser o Brasil, tão tropical e bonito por sua natureza,
um país que abriga um momento tão conservador, tão arraigado em velhos dogmas, tão resistente em aceitar o óbvio,

que seja,
podemos ser tudo que quisermos,
e ainda assim, convivermos na paz.

Sei lá,
não tô botando fé que isso vá passar tão cedo.

De qualquer forma, caro poeta,
muito me honram as tuas colocações,
um dia haveremos de filosofar pessoalmente, e serão longas estas boas horas.

Beijo

Be


*