segunda-feira, 26 de outubro de 2015

19:00

 
O gosto hoje é de DESGOSTO.
Gostar é um gesto fácil, e de durabilidade questionável. Há que se ter disposição para o 'fazer de conta' e fazer de conta é chato demais da conta.
 
A gente gosta do que vê ou do que imagina ver...
 
Quem se importa.
 
Jogo de conveniências. Interesses. Nada é real. Nada é perene. Já posso ouvir ao longe o barulho das sirenes. Chamei o hospício pra me levar. Enlouqueci com o jogo.
 
O TÉDIO é o lugar mais seguro do mundo. Só que não.
 
Tem aquela eterna madrugada que lateja novidades.
 
TUM TUM TUM TUM TUM
 
O coração quer bater mais rápido, tá cansado de quase ficar parado, cansado da lentidão de corriqueira existência, provoca-me,  atiça, dentro dele tem um diabo artista, que me chama, dia sim, dia não, e então, num dia qualquer,  vou até o portão, e pela milésima vez vejo a mesmo trem passar,
 
proibido pra mim, no entanto. Porque, não sei. Carma. Encosto.
Se um dia eu for, descarrilha. É O AVISO.
 
E aí o tédio, e o barulho do trem o tédio, o trem, o tédio, o trem
 
_ que mal tem _ pergunto.
 
E vou. Sem levar nada. Nem a roupa do corpo. A última peça sacode-se ao vento, morrerá ao relento.
 
Não são passos que me conduzem. São asas. Batendo. Eu corro. Eu voo. Apossa-se de mim uma energia divina e perigosa e as lágrimas que eu nem lembrava o gosto dão lugar à um riso pecaminoso que ignoro, perigoso.
 
Chego. Todos me olham. Todos vestidos. Todos absortos. Todos. Quem é essa gente toda. Porque me olham. Nem me dou conta da nudez. Passei tanto tempo do lado de dentro que esqueci que do lado de fora as pessoas não se despem, ao contrário, se trajam em excesso para ofuscar seus interiores macabros.
 
Risos. Gargalhadas. Dedos em riste. A loucura persiste. Estou no inferno. Olho e não vejo. Esbravejo, mas ninguém ouve, quase desfaleço, mas ainda penso. Pesadelo. Mais um pesadelo.
 
Vou me encolhendo. Sou Anna Kariênina. Vou me jogar. O trem nem precisa descarrilhar. Eu vou me jogar. Eu mesma vou me jogar.
 
TIRE SUAS MÃOS DE MIM.
 
 
 
*

Um comentário:

Wendel Valadares disse...

"Tire suas mãos de mim, eu não pertenço a você..."

"O TÉDIO é o lugar mais seguro do mundo. Só que não".

Sensacional, Be.

Beijo!