sexta-feira, 27 de março de 2015

20:48

.


oferecer nossas belezas ao ser amado,
é moleza,
somos exibicionistas, temos sede por adoração,

AGORA,
oferecer nossas decadências, nosso lado doentio, feio, lúgubre
expor o que em nós dói,

este sim, é um grande gesto de AMOR.


[eu acho]



*

quinta-feira, 26 de março de 2015

20:15

.

 
Deve ter sido coisa daquele passarinho cantando na minha janela. Só sei que acordei com carinho. Um carinho enorme no coração. Pelo ser humano. Todo ELE. Toda gente, toda forma de ente, é tanto que chega doer  no coração. De tanto carinho. Pelo ser, humano. Todos sem exceção. Os que estão à direita. Os que estão à esquerda. Os que estão ao meu lado, os que estão longe, os que combinam comigo, e todos os que não, os que eu consigo entender, e todos os que me parecem estranhos no ninho. Os estranhos e seus caminhos. Até me lembram passarinhos, esses seres humanozinhos.
Destitua o ser humano de suas roupas, das suas coisas todas, seu lugar social, seu vil metal, e ali estará um ser passarinho. "Metaformize": tão bonitinho, tão puro e desprotegido esse ser quando desprovido... Quem é o ser humano sem as suas materialidades? Observado ente, observante ser.
Dá tanto carinho no coração... Um único ser é um mundo todo, e ao mesmo tempo, é um nada. Nada versos nada. Um grão. Um sopro. Um pó. Tão só... Nasce, sofre pra crescer, sofre pra entender oque fazer do corpo, e de todo sentimento que se acumula em sua cabecinha ululante, e ainda que cresça, e ainda que faça e aconteça, não haverá fortaleza que o proteja de um giro próprio, um giro que não lhe permite decidir. Só se iludir. Só da pra ir. E cair. E tornar a ir, e se possível se pondo a rir de sua própria insignificância.
Rir pra não chorar. Ah!, este mar de estrelas em que está contido mesmo sem notar... Tão engraçado o ser humano. Pensa que vai pro céu num dia desses, e se benze, _ Deus nos livre e guarde!, sem se dar conta que já está no céu, só sente seus pés tão firmes no chão, ser da terra, quando de fato, está flutuando pela imensidão do tudo. Do Todo. 'Metaforize': Imagine a terra. Rodando, rodando. Agora imagine-a de longe, mais longe ainda, suspensa por entre estrelas e espaço que se expande ao infinito. Deixe-se levar. E vá além. E mais além, e então, olhe todas as estrelas ao redor, as constelações, os planetas, as novas, as super novas, os sóis, as luas, e solte-se mais, e sinta o silêncio canção, e por instante, um instante só, volte seu olhar para trás.
Procure alguém. Onde foram parar os seres humanos? Cadê os passarinhos e seus ninhos, onde foram parar seus caminhos e seus descaminhos? Não dá um imenso carinho no coração imaginar o ser humano no meio dessa imensidão?
 
 
 
 
*

terça-feira, 17 de março de 2015

19:06

.
 
 
Pergunte-se ao poeta:
_ basta sentir?
 
ele dirá:
 
basta para sentir
e sentir basta.
E o quando isso
pode ser mais
é condição de dar.
o salto.
O importante é ir
ao encontro,
e ao seu,
falei, falo
sempre irei!
 
 
BONITO!
 
 
*

18:59

.


emocionar não é uma tarefa simples. não se emociona alguém com ruídos. com gritos. com apitos.
com ódio. com inverdades. com esnobismos. com ausência de sorrisos. sinceros. delírios. prefiro.
emocionar é um verbo que inclui. jamais exclui. ou humilha. denigre.ou persiste na burrice.

emocionar é comover. COMO VER a coisa. e ver tem que ser lindo. gostoso de comer com olhos.
como dizia o emocionante Professor Rubem. Tem que dar vontade de pegar. de  chegar. junto. participar. se não provoca o carinho, vira à esquerda, dá  meia volta, ou volta. a ver. COMO VER.
jamais será visto o ódio emocionar. por isso passeei no parque. domingo. tava bonito. que só.


*



sábado, 14 de março de 2015

13:03

.
 
 
Um conflito
só faz sentido
se for pelo aumento
 
DOS SORRISOS.
 
 
[literais e metafóricos]
 
 
 
*

quinta-feira, 5 de março de 2015

20:42

.




NÃO


                      fazer


                        sentido

é a única coisa              


                                          que combina


                     COMIGO


                             *

18:06

.
 
Explico.
Eu explico, tu explicas, ele explica, estamos todos sempre a explicar. E a nos explicar. Faz sentido. A gente é meio complicado. Cada cabeça carrega seus zilhões de certezas, misturadas à outras tantas sentenças, sinapses atrás de sinapses, neurônios se esbarrando sob o impacto dos nossos sentidos conhecidos e os outros tantos, pouco percebidos. Ainda. Por nós.
 
Talvez por isso exista a poesia. Lá, dentro de um poema, existe um mundo que não exige explicação. Você pode mudar o sentido das horas, acrescentar ou tirar sem ter que provar noves fora, você pode liberar a cachola como se não existisse mais nada nem ninguém pra quem explicar do lado de fora.
 
Não existe explicação que se aplique às nossas licenças poéticas. Ainda que muitas delas sejam patéticas. Uma coisa pode começar exatamente onde a lógica exige terminar, você pode se sentir feliz ainda que não haja motivo, e você pode esticar os conceitos, e chamar o amor do seu jeito, você pode se expressar sem receio, acabar uma frase no meio, e entre um isso e um aquilo sem nome, você pode, simplesmente reinar.
 
Poesia é reino, de um servo só. E só, nem sempre quer dizer único. Ou sozinho. Pode ser um belo caminho. Um estribilho, o caos de um redemoinho, pode ser a margem de um riozinho, ou um barco, a remo, pode ser um lugar ermo, conter as dores de um enfermo, perdoe-me os termos, mas é que eu não sei explicar. Eu só sei chegar ao fim do dia, lamentar as palavras perdidas, e ainda que escapem-me os sentidos, sem os pudores da explicação, acabo me misturando a elas, que chão!, em busca de alguma poesia que me acalme o coração.
 
 
 
 
 

quarta-feira, 4 de março de 2015

19:45

.

Parece um bem-te-vi
e seu canto de boas novas

MARÇO chegou voando
e cantando à plenos pulmões:

_  o ano começou,
que não vos falte direção!



*